Atendimento por WhatsApp 55 11 99508-6782

Notícias

Cientistas canadenses descobrem a cura para a diabetes e testes em humanos serão iniciados em breve

Segundo a OMS, há 422 milhões de pessoas no mundo com diabetes. A doença pode trazer várias complicações se não for tratada e, até o momento não havia cura. Os pacientes tinham apenas como controlá-la.

Só que cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, trouxeram uma notícia maravilhosa para todos nós. Eles descobriram a cura da diabetes e testaram a sua eficiência em alguns camundongos. Agora, estão aguardando liberação de investimentos para começarem os testes em humanos.

Como foi descoberta a cura da diabetes?

O grupo de cientistas da Universidade de Alberta, usou uma técnica que promove o desenvolvimento de células-tronco em células pancreáticas. Com isso, é possível que o corpo volte a produzir insulina naturalmente.

“Fomos capazes de tratar incontáveis milhares de camundongos com essas células-tronco e efetivamente curar camundongos com diabetes ao longo de muitos anos”, disse Dr. James Shapiro, coordenador da pesquisa.

“Trabalhamos com uma empresa chamada ViaCyte em San Diego, nos últimos 19 anos e essa empresa tem uma célula que é derivada de uma célula-tronco embrionária humana que produz insulina humana de uma forma regulada e perfeita”, explicou.

Dr. James pesquisa e realiza testes para a cura da diabetes desde a década de 90. Os resultados foram publicados a primeira vez no The New England Journal of Medicine em 2000, quando a técnica ficou ganhou o nome de “protocolo de Edmonton”.

Agora em 2020, a equipe já tem um processo muito mais certo e evoluído. A diferença entre os resultados daquela época e agora é que no novo processo o envolvimento de células-tronco desenvolve junto das próprias células do paciente, assim, a rejeição ao tratamento é impossível de acontecer.

Como ocorrerá o tratamento?

Essa é outra boa notícia que o Dr. James trouxe. A expectativa é que o tratamento aconteça apenas com uma injeção.

Comentário CCB:

As células-tronco mesenquimais podem se diferenciar em muitos tipos de tecidos do nosso organismo.

Fonte: The New England Journal of Medicine

Publicado em: 25 de novembro de 2020 às 18:11.

Central de Atendimento: 
São Paulo e Região: (11) 3059-0510 | DDG: 0800.770.1112 | E-mail: [email protected]
Av. Indianópolis, 1843/1861 - Indianópolis - São Paulo/SP - CEP: 04063-003