Notícias

22 de junho de 2017

Células-tronco podem ser alternativa para curar cegueira

Técnica ainda está em fase de testes, mas é vista como um procedimento viável para resgatar a visão no futuro. Dois estudos publicados no New England Journal of Medicine, em março deste ano, mostram que uma técnica inovadora utilizando células-tronco pode ser um dos caminhos para a cura da cegueira causada pela degeneração macular, devido à idade (DMRI). De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, mais de 2,9 milhões de pessoas são afetadas por essa disfunção no Brasil. O oftalmologista do Visão Institutos Oftalmológicos, Samuel Duarte, explica que cada estudo utilizou um método diferente. “Em uma das técnicas foram realizadas aplicações intraoculares de células-tronco derivadas de tecido gorduroso do corpo do próprio paciente. Já em outro procedimento foi feito um transplante cirúrgico de células-tronco derivadas da pele”. Segundo o especialista, a utilização de células-tronco para a cura de várias patologias é muito especulada. Neste caso, apesar de ser inovador, o proc

14 de junho de 2017

A importância da doação de medula óssea

Você sabia que a doação e o transplante de medula óssea podem beneficiar o tratamento de aproximadamente 80 doenças? Hoje a principal barreira na realização do procedimento, que pode salvar milhares de vidas todos os anos, é a dificuldade na busca por doadores compatíveis. Estima-se que a chance de encontrar um doador compatível seja de 1 para cada 100 mil pessoas. O transplante de medula óssea ocorre de duas maneiras: via autotransplante, que consiste em transplantar células tronco do próprio paciente em seu corpo, e de maneira alogênica, quando o paciente recebe células de um doador. O transplante é indicado para pacientes com leucemia, anemias graves, linfomas, imunodeficiências e doenças relacionadas aos sistemas sanguíneo e imunológico. Quando uma pessoa necessita de transplante, a primeira opção é buscar um doador compatível na família. Infelizmente, o doador compatível (geralmente irmãos), só está disponível em cerca de um quarto dos casos. Então a solução é consultar o Regi

8 de junho de 2017

Pacientes com câncer incurável entram em remissão após terapia genética

Médicos e pesquisadores divulgaram, na última segunda-feira (05/06), os resultados de uma pesquisa com imunoterapia que apresentou taxa de resposta "sem precedentes" em pacientes com mieloma múltiplo — um tipo de câncer no sangue até hoje incurável, que pode danificar os ossos, o sistema imunológico, os rins e a contagem de glóbulos vermelhos. Estudo mostra boa resposta em mais de 90% dos casos de mieloma múltiplo e dá esperanças de cura Na pesquisa, 33 dos 35 pacientes (94%) com esse câncer que participaram da experiência apresentaram remissão da doença — quando não há sinais dela, mas ainda não se pode dizer que se está curado — apenas dois meses depois de começarem uma terapia com de células T, que são as reponsáveis pelo sistema imunológico. Os cientistas retiraram células T dos próprios pacientes, modificaram-nas em laboratório com receptor de antígeno quimérico (CAR) e as injetaram novamente nos participantes, por meio intravenoso. Os primeiros resultados já começaram dez di

1 de junho de 2017

As células-tronco se tornaram uma grande esperança para o tratamento das lesões medulares

O tratamento de lesões medulares sempre foi um grande desafio na área médica. Isto se deve principalmente ao fato de que a capacidade regenerativa do tecido nervoso é limitada pois não há uma grande população de células-tronco neuronais na medula espinhal e a formação de uma cicatriz e as reações inflamatórias que ocorrem no sítio da lesão inibem a reconstituição do tecido. Nesse sentido, as células-tronco se tornaram uma grande esperança para o tratamento das lesões medulares. Isto porque estas células poderiam contornar todos estes problemas dado suas características: (1) as células-tronco tem uma alta capacidade de proliferação, podendo gerar muitas outras células-tronco; (2) as células-tronco se diferenciam em outros tipos celulares especializados, como células nervosas e, assim, poderiam repor os neurônios perdidos; (3) as células-tronco podem gerar as células responsáveis pela formação da bainha de mielina, uma espécie de capa que reveste os neurônios e que é fundamental para que

25 de maio de 2017

Uma nova chave para conter a metástase do câncer de mama

Assim como ocorre com muitos outros tumores, a metástase é a principal causa de morte nas mulheres que desenvolvem o câncer de mama. Uma reduzida população de células dentro do tumor é capaz de sobreviver ao tratamento e pode, meses ou anos mais tarde, gerar um novo câncer. As responsáveis por essas recaídas são as células-tronco do câncer, e contê-las significaria uma das maiores vitórias contra a doença que se possa imaginar. Um novo estudo publicado dá um passo à frente nesse possível triunfo ao revelar o mecanismo que permite às células-tronco do câncer escapar do sistema imunológico e gerar tumores em outros órgãos. “As células-tronco cancerosas utilizam programas genéticos próprios das células-tronco normais para adquirir novas propriedades”, resume Toni Celià-Terrassa, pesquisador da Universidade de Princeton (EUA) e primeiro autor do estudo, publicado na Nature Cell Biology. “Isso dá a elas capacidade de adaptação para serem mais agressivas. Por isso são as responsáveis por

Central de Atendimento:
Telefone: (11) 3057-0510 | DDG: 0800.770.1112 | E-mail: ccb@ccb.med.br
Av. Brasil, 332 - Jd. América | São Paulo/SP - CEP 01430-000