Atendimento por WhatsApp 55 11 99508-6782

Notícias

23 de novembro de 2021

Cientista já estudou com livros do lixo e hoje busca tratamento para asma

Quando era criança, uma das brincadeiras favoritas da cientista Dayene Caldeira, 28, era pesquisar as características das doenças e explicá-las para os adultos. O material de consulta eram livros que ela e a avó encontravam no lixo, enquanto recolhiam recicláveis para ajudar no sustento da família, que morava na periferia do Rio de Janeiro. A cientista Dayene Caldeira | Imagem: Fundação Estudar/Divulgação. "Minha avó não sabe ler, mas sempre acreditou na educação. Toda vez que encontrava um livro, ela me dava. Foi assim que eu aprendi inglês e que me apaixonei pela área da saúde", conta a pesquisadora. Com apoio também da mãe, que era cobradora de ônibus, Caldeira se formou em fisioterapia, fez mestrado e agora está no doutorado em ciências biológicas no Laboratório de Investigação Pulmonar da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), onde pesquisa uma técnica que, com uso de células-tronco, tem o objetivo de fazer a regeneração dos pulmões de pacientes com asma. O interesse p

16 de novembro de 2021

Cura da artrose a caminho? Cientistas criam cartilagem usando células-tronco

Para o tratamento de pessoas com desgaste de cartilagem — como quem tem osteoartrite (artrose) —, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, desenvolveu uma nova maneira para transformar células-tronco em tecido cartilaginoso. Potencialmente, a técnica deve permitir novas possibilidades de tratamento médico para quem enfrenta condições do tipo. Pesquisa transforma células-tronco em cartilagem (Imagem: Reprodução/Artem Podrez/Pexels) Vale explicar que a cartilagem atua como um amortecedor natural das articulações. Seja pelo avançar do tempo, por lesões esportivas ou traumas, o desgaste cartilaginoso leva à condição. Em consequência disso, é como se os ossos se raspassem uns com os outros. Nese ponto, a pessoa costuma sentir dores e ter dificuldade de movimentação, o que pode ocorrer em diferentes graus. Atualmente, faltam procedimentos que reparam o dano da cartilagem com alta eficácia e de forma permanente. Segundo os pesquisadores, os métodos disp

10 de novembro de 2021

Estudo explica por que algumas pessoas são mais resistentes ao coronavírus

Por meio de análises do sangue de casais em que ambos foram expostos ao vírus, pesquisadores descobrem que alguns genes são responsáveis pela não infecção Um estudo da Universidade de São Paulo (USP), publicado esta semana no periódico científico Frontiers in Immunology, está ajudando a elucidar uma das maiores incógnitas da pandemia da Covid-19: por que algumas pessoas são resistentes e não se infectam com o novo coronavírus? A pesquisa foi feita com 86 casais brasileiros, em que ambos foram expostos ao Sars-CoV-2, mas somente um dos parceiros desenvolveu a doença. Por meio de amostras de sangue, os pesquisadores descobriram que as pessoas que não foram infectadas possuem mais genes MICA e MICB. Pertencentes ao complexo MHC (principal de histocompatibilidade), estes genes ficam no cromossomo 6 e ativam as chamadas células killer (NK), que fazem parte da resposta inicial do sistema imunológico e são capazes de reconhecer e destruir células contaminadas. Segundo os cientistas, as m

3 de novembro de 2021

Células-tronco na ortopedia e na medicina do esporte

Além da longevidade, as terapias trazem perspectivas de mais qualidade de vida e bem-estar nas práticas de atividades físicas As células-tronco mesenquimais se tornam cada vez mais promissoras e os estudos e ensaios clínicos realizados avançam em diversas frentes. Essa também é uma verdade para a ortopedia e para a medicina do esporte. A terapia celular tem aberto possibilidades de pesquisa e procedimentos futuros para doenças que ainda não possuem um tratamento adequado nessa área, como é o caso das lesões da cartilagem e da osteoartrite ou artrose do joelho, entre outras. “A vantagem terapêutica dessas células vem da capacidade que têm de se diferenciar em outros tecidos (adiposo, ósseo e cartilaginoso) e de regular o sistema imune ao seu redor, tornando o ambiente mais propício para o reparo da lesão. As técnicas estão sendo amplamente estudadas por respeitados centros no exterior e no Brasil. A pesquisa desde os laboratórios até os modelos tradicionais para uso em humanos e em

26 de outubro de 2021

Nova técnica ajuda no combate à anemia falciforme

Estudos revelam que a técnica promissora permite a autorrenovação das células A anemia falciforme é um problema que atinge mais de 2 milhões de pessoas no mundo todo. Caracterizada por deformações na hemoglobina e destruição dos glóbulos vermelhos - doença que os deixa com um aspecto de foice ou meia lua - essa anormalidade dificulta o transporte de oxigênio no corpo e gera riscos de obstrução dos vasos sanguíneos e problemas como a anemia crônica, causada pela destruição desses glóbulos vermelhos. Alguns sintomas da anemia falciforme são apatia, fraqueza e dor generalizada. Em casos mais graves, pode, inclusive, ocorrer complicações em outros órgãos devido ao bloqueio no fluxo sanguíneo, levando à insuficiência renal e cardíaca. O tratamento convencional é feito com analgésicos e antibióticos e, nos casos graves, o tratamento é feito através de transfusões de sangue. Em busca de tratamentos menos invasivos, inclusive com o objetivo de curar a anemia falciforme, cientistas desenv

Central de Atendimento: 
São Paulo e Região: (11) 3059-0510 | DDG: 0800.770.1112 | E-mail: [email protected]
Av. Indianópolis, 1843/1861 - Indianópolis - São Paulo/SP - CEP: 04063-003