Notícias

7 de março de 2019

Cordão umbilical doado cura menino com câncer agressivo

Um cordão umbilical doado salvou a vida de um menino de nove anos que tinha um tipo de câncer agressivo, a leucemia mielóide aguda. Ele passou por um transplante de células-tronco e conseguiu vencer a doença. Jenson Wright foi diagnosticado com linfoma em novembro de 2013, quando tinha 4 anos de idade. Ele fez várias sessões de quimioterapia, mas o câncer retornou mais agressivo e se espalhou por 70% do corpo de Jenson. O menino, de Penketh, na Inglaterra, ganhou uma nova chance depois do transplante de células-tronco usando um cordão umbilical que estava congelado há tempos no Texas. A operação foi em dezembro de 2016 e os médicos ficaram chocados com a boa reação que o menino teve em apenas cinco dias, após o tratamento. Agora, dois anos depois do transplante, Jenson foi informado de que está completamente curado de câncer. A mãe dele, Carolyn, de 46 anos, disse: “Nós somos bastante afortunados porque ele era tão jovem na época em que foi diagnosticado, então ele realmente não

21 de fevereiro de 2019

Pesquisadores desenvolvem forma de transplantar rins de porcos para seres humanos

Duas pesquisas da Universidade de São Paulo estão tentando ampliar a oferta de órgãos para transplantes. Os cientistas estudam uma forma de usar rins de porcos em seres humanos. Veja na reportagem de Fábio Turci, que foi correspondente da Globo em Nova York, e agora está de volta ao Brasil. Durante duas, três, quatro horas por dia, a vida para. Para pra ser renovada pela máquina. “Eu gosto dela porque ela está me cuidando, mas o sonho é sair daqui”, diz a babá Fernanda Salgueiro Damasceno. A hemodiálise filtra o sangue, faz o que os rins não conseguem mais fazer. A aposentada Lourdes Higino da Silva está na fila do transplante faz 15 anos. Chegou a conseguir um rim, mas ele estava com problema. “Colocaram na quinta, tiraram no sábado. Estou na fila de novo”, conta. O transplante de órgãos foi uma revolução na medicina, mas ela nunca libertou os pacientes da fila de espera e da necessidade de encontrar um órgão compatível. Agora, o que vem por aí pode ser uma nova revolução. No Ce

14 de fevereiro de 2019

Descoberta sobre células-tronco pode levar à cura do diabetes

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco deram "passo crítico" para encontrar uma solução para a doença, pela primeira vez criaram células humanas que produzem insulina utilizando células-tronco. A novidade científica é um avanço em direção à criação de uma cura para o diabetes tipo 1. “Os tratamentos terapêuticos atuais tratam apenas os sintomas da doença com injeções de insulina”, segundo Gopika Nair, autora do estudo, realizado pela Universidade da Califórnia em São Francisco. “Nosso trabalho aponta para diversas avenidas empolgantes para finalmente encontramos uma cura para a doença.” O estudo completo foi publicado periódico Nature Cell Biology. Com a nova técnica, os pesquisadores conseguiram reproduzir em laboratório células beta pancreáticas que são destruídas pelo diabetes tipo 1. Elas são responsáveis pela produção de insulina. Para driblar a dificuldade encontrada por outros pesquisadores para criar as células beta a partir das células-tronco, o time

7 de fevereiro de 2019

Rins criados em ratos podem abrir caminho para transplantes em humanos

O experimento genético traz esperança de uma solução para a enorme escassez de rins de doadores para pessoas que necessitam de transplante. Cientistas disseram que usaram com sucesso células-tronco de camundongos para desenvolver rins em embriões de ratos, usando uma técnica que poderia um dia ajudar a criar rins humanos para transplante. Mas os pesquisadores advertiram que seu êxito era apenas um primeiro passo e que restam "barreiras técnicas sérias e questões éticas complexas" antes que o processo possa ser usado para órgãos humanos. A técnica foi usada anteriormente para cultivar pâncreas derivados de camundongos em ratos, mas o novo estudo é a primeira evidência de que pode um dia fornecer uma solução para a enorme escassez de rins de doadores para pessoas com doença renal. A pesquisa, publicada na revista científica Nature Communications, começou com o desenvolvimento de um "hospedeiro" adequado no qual os rins poderiam ser cultivados. Os pesquisadores coletaram estruturas

31 de janeiro de 2019

Cientistas criam réplicas tridimensionais de vasos sanguíneos humanos que podem ajudar no estudo de doenças

Uma equipe internacional de cientistas afirma ter alcançado um feito inédito: criar réplicas tridimensionais de vasos sanguíneos humanos cultivados em uma placa de Petri. A façanha maluca, detalhada em um novo estudo publicado na Nature (jan/19), nos permitirá compreender melhor e estudar doenças incapacitantes como o diabetes. Pessoas com diabetes — condição marcada por um alto nível crônico de açúcar no sangue — muitas vezes desenvolvem má circulação sanguínea. Ataques cardíacos, derrame e até mesmo amputação de membros podem eventualmente acontecer como consequência disso. Os cientistas conseguem usar animais, incluindo camundongos, para estudar a progressão do diabetes. Mas esses modelos de camundongos não capturam todos os aspectos do diabetes que vemos em humanos, inclusive como ele danifica os vasos sanguíneos. Idealmente, seria bom ver os efeitos de qualquer doença em algo o mais semelhante possível aos seres humanos. Pequenos órgãos desenvolvidos em laboratório, ou “organo

Central de Atendimento: 
São Paulo e Região: (11) 3059-0510 | DDG: 0800.770.1112 | E-mail: ccb@ccb.med.br
Av. Indianópolis, 1843/1861 - Indianópolis - São Paulo/SP - CEP: 04063-003